EnglishFrenchPortugueseSpanish

Dr Ryan Cole lidera a iniciativa com 17.000 médicos para romper com a OMS

“A OMS é financiada principalmente por várias nações, mas a Fundação Gates é uma das principais. “, afirmou.

Dr Cole durante uma audiência no senado dos EUA. Foto: reprodução/internet

Dr Ryan Cole é um dos médicos que lideram a GCS – Global Covid Summit. Em uma recente entrevista para o jornal argentino “La Prensa”, ele falou da covid atualmente, os erros grosseiros cometidos pelas autoridades, conflitos de interesses da indústria farmacêutica distorcendo a ciência e sobre a vacinação. Dr Cole faz parte de grupo de médicos com mais de 17.000 signatários de diferentes países que resolveram romper com as determinações da OMS.  Aqui traduzimos algumas respostas.

– O que deu errado nesses últimos dois anos?
Exageramos. Sem dúvida, era um vírus preocupante. Acredito que é um vírus fabricado. Muitos países, como Estados Unidos, Canadá e China, estavam trabalhando no coronavírus. Quando o vírus apareceu pela primeira vez, sabíamos que estava afetando pessoas mais velhas. Então, se olharmos para o SARS-CoV-1, da mesma forma, essa foi uma doença que também afetou os idosos. De modo que estou de acordo com meu colega Dr Jay Bhattacharya, de Stanford e os os Dr Kulldorff e  Gupta e a Declaração de Great Barrington como disse deveríamos proteger os com comorbidades e idosos. Como eu disse naquela palestra que dei no início de tudo isso, temos uma deficiência internacional de vitamina D, ou seja, uma pandemia de deficiência de vitamina D que se soma à pandemia viral. E se olharmos agora para os grandes estudos que foram feitos, quem tem bons níveis de vitamina D tende a não ser afetado pelo vírus. A vitamina D controla nosso sistema imunológico. Então, basicamente, tínhamos ou temos uma população imunossuprimida.

– Que outros erros foram cometidos?
Não focar no tratamento precoce também foi um grande erro. Havia tantos protocolos que funcionaram no início, mas as grandes agências estavam focadas em induzir a população a uma nova plataforma de vacina baseada em genes, que não foi testada na humanidade. E, se houvesse um protocolo de medicação ou tratamento que funcionasse, eles não teriam permissão para obter uma autorização de emergência aqui nos Estados Unidos. Então eles estavam pressionando para suprimir o sucesso dos médicos com o tratamento precoce para que essas injeções experimentais pudessem ser implementadas na humanidade, o que é muito lamentável porque milhões de vidas poderiam ter sido salvas. Não havia apenas esses medicamentos, que supostamente são “controversos”, mas”controversos”, mas também outros medicamentos diretos que são aprovados: se você tem uma doença pulmonar, inflamação, esteróides são usados. Se você tiver coágulos, medicamentos anticoagulantes são usados. Ou seja, são utilizados para as condições para as quais foram aprovados. Mas estávamos tratando isso como se tudo o que existisse fosse uma injeção. Uma injeção é uma prevenção para algo que está por vir, nunca para algo que está acontecendo. Então foi um completo absurdo. Havia também esteróides inalatórios para reduzir a inflamação nos pulmões. Algo tão simples como isso estava sendo negado aos pacientes. E havia um médico no Texas, Dr. Bartlett, que teve muito sucesso com esteróides inalatórios. Claro, seu vídeo foi removido do YouTube após vários milhões de visualizações. Então, a Oxford faz um grande estudo e diz que seis meses depois, ‘Oh meu Deus, budesonida funciona mesmo.’ Então, quantas vidas foram perdidas ou comprometidas porque algo tão simples, genérico e barato fora suprimido? Interromper o tratamento precocemente realmente nos custou muitas vidas.

– Que forças orientaram tais ações? Quais eram os objetivos?
Acho que o objetivo é que eles quisessem brincar na caixa de areia com seu novo brinquedo: injeção de mRNA com nanopartículas lipídicas. Quem orientou isso? Aqui nos Estados Unidos, as agências federais, que por sua vez influenciaram as agências federais de muitos outros países. Foi fascinante ver todos os países, ao mesmo tempo, adotarem a mesma abordagem, o que acho muito suspeito, porque se você tentar colocar um monte de países em uma sala para concordar com qualquer outra coisa, isso não acontece. A Organização Mundial da Saúde estava liderando muito disso também. A OMS é financiada principalmente por várias nações, mas a Fundação Gates é uma das principais. Bill Gates se gabou muitas vezes do grande retorno sobre o investimento que as vacinas proporcionam, um retorno de 20 para 1 sobre o investimento de suas empresas. Então sua fundação, por mais que pareça ser uma fundação voltada para a saúde, na verdade é orientada financeiramente. E este é um dos maiores financiadores da OMS. Existe um documentário muito bom, intitulado “Trust WHO” (de 2018) que mostra como a OMS é administrada e financiada por empresas farmacêuticas. Portanto, muitas das decisões internacionais foram seguidas pelo que a OMS disse ou não disse e, por isso, desempenhou um papel crucial na tomada de decisões de muitos países: por exemplo, na supressão de medicamentos.

Aqui nos Estados Unidos, os Institutos Nacionais de Saúde (NIH), o CDC e o FDA estavam em conluio, retendo dados. E isso foi admitido no New York Times, no Dia do Presidente – por volta de 17 de fevereiro. O CDC disse que estava retendo a maioria dos dados do Covid dos últimos dois anos. E como fazemos políticas se os dados estão sendo retidos?

Sabemos que a Pfizer obteve sua autorização por meio de fraude, agora que os dados da Pfizer estão sendo divulgados. Mesmo na Argentina, o Dr. Fernando Polack realizou o maior centro de ensaios do mundo: mais de 10% dos participantes do estudo vieram de lá. Uma grande universidade não consegue matricular tantas pessoas em um estudo, e ele fez mais de 5.000 pessoas se inscreverem e preencherem os formulários em três semanas. Isso implica em 1,5 milhão de páginas de documentação que seriam necessárias em três semanas. Não faz nenhum sentido.

– Em que momento você percebeu que tinha que tratar pacientes com covid?
Muito cedo. Minha formação é patologia, patologia clínica, subespecialidade de dermatopatologia, também fiz doutorado em imunologia. Então eu tenho uma extensa formação em imunologia, virologia e patologia. Eu sabia disso apenas vendo meus colegas que estavam falando sobre os primeiros tratamentos que funcionaram, muito cedo. No final de 2020, quando mais informações sobre a ivermectina estavam se tornando conhecidas, o primeiro paciente que tratei foi meu irmão, que está acima do peso e tem diabetes tipo 1, quando contraiu covid. Ele me ligou e me disse que estava indo para o pronto-socorro porque sua saturação de oxigênio era de 86%. Eu disse a ele para não ir, para ir à farmácia. Um dia depois, seu oxigênio havia subido para 98% e o desconforto pulmonar que sentia havia desaparecido. Na verdade, havia desaparecido seis horas depois, após sua primeira dose. Então correu muito bem. Não tratei muitos pacientes nos primeiros meses, mas dei muitos conselhos aos pacientes quando eles chegaram. Eu dei muita orientação aos pacientes que vieram ao laboratório para testes, dizendo-lhes quais suplementos eles podem tomar, algumas dicas para perda de peso (açúcares limitantes, xarope de milho rico em frutose), certificando-se de que seus níveis de vitamina D estão normais, tome zinco suplementos, quercetina… então eu dei principalmente conselhos médicos gerais naquele primeiro ano para otimizar a saúde. Então, quando meu irmão ficou doente, e depois outros membros da família e amigos, comecei a tentar. Não tratei milhares de pacientes como alguns dos meus colegas, terei tratado talvez cerca de 400 pacientes.

– Isso é muito mais do que os órgãos de saúde fizeram, por exemplo.
Sim. Os diretores desses órgãos de saúde são todos burocratas técnicos, nenhum deles atendeu paciente com covid e estão estabelecendo políticas e cobranças, dizendo o que as pessoas devem fazer, mas não têm experiência de primeira mão, como muitos de nós vemos o sucesso desses primeiros tratamentos, desses medicamentos, vendo como eles eram seguros e simples. É muito frustrante ter políticos e burocratas ditando o que deve ser feito, quando os médicos que estão realmente cara a cara com os pacientes sabiam o que estava dando certo.

– Agora que se fala de novas variantes e novas ondas, vamos repetir todos esses erros?
Espero que não. O lamentável é que os medicamentos “licenciados” são os ainda muito caros das empresas farmacêuticas: Paxlovid, que agora sabemos que leva à infecção rebote; e o Molnupiravir, que ironicamente foi desenvolvido como medicamento para cavalos. Literalmente, se você pesquisar a história do Molnupiravir, ele foi desenvolvido para a encefalite equina oriental, que é um alfavírus que afeta o cérebro dos cavalos. Então, por mais que critiquem a ivermectina, saiu outro remédio para cavalos e tem eficácia de no máximo 30%, mas causa mutação e é perigoso para crianças, para gestantes, para quase qualquer pessoa. Portanto, os medicamentos que eles autorizaram, Paxlovid e Molnupiravir, são perigosos e caros. O remdesivir mata os rins, é uma droga horrível, Provavelmente matou centenas de milhares de pessoas em todo o mundo. Muitas nações, felizmente, nem sequer o utilizam.

– A covid estará conosco para sempre?
Sim.

– Continuará a sofrer mutações?
Sim. Em geral, uma vez que você tenha uma mutação menos virulenta, o vírus volta para uma variante mais agressiva? Em geral, historicamente, com a maioria dos vírus, não. Eles estão mexendo com as coisas nos laboratórios e vão lançar algo pior? Quem sabe. O que mais o preocupa hoje em termos de saúde global? Para quais questões a população deve ser alertada? Em nível global, a grande preocupação que tenho é que grandes empresas e governos tenham usado uma injeção experimental de nanopartículas lipídicas em uma sequência de mRNA. Agora eles acham que têm carta branca para usar isso no mundo. Eles dizem que agora vamos fazer vacinas contra influenza, RSV e HIV com essa nova nanopartícula lipídica na tecnologia de mRNA. Não há nenhuma evidência para mostrar que isso é seguro. Sabemos que as nanopartículas lipídicas estão em todos os lugares. Sabemos que o mRNA da pseudouridina suprime o sistema imunológico. Então eles acham que podem avançar a humanidade fazendo isso e jogando fora toda a tecnologia de vacina anterior. É uma ideia horrível porque suprime o sistema imunológico. Tenho visto um aumento nos casos de câncer devido à supressão do sistema imunológico, o que torna as pessoas mais suscetíveis a outros vírus no corpo serem despertados. Então, minha preocupação é que impulsionemos essa tecnologia e basicamente as pessoas que não conhecem a profundidade da ciência, pensam que é isso que estão fazendo agora, vou ser vacinado no próximo outono contra esse vírus ou esse vírus. Má ideia.

E do ponto de vista da saúde global, temos uma dieta pobre, as pessoas comem muito, consomem muito açúcar, muito xarope de milho rico em frutose, muitos óleos inflamatórios (canola, milho, soja), então temos uma população com alta inflamação e imunossupressão. Perdemos as construções básicas de saúde, estamos nessa construção de cura de uma pílula, confiamos em grandes sistemas, confiamos em empresas farmacêuticas, em vez de cuidar de nossa saúde individual… . Cabe a você conhecer seu corpo, quais coisas eliminar de sua vida, quais coisas modificar. Modificamos esses grandes sistemas e agora, por causa do que eles fizeram com tantos bilhões de pessoas.

Leia a parte 2 traduzida.

Leia a entrevista completa em “La Prensa” e a versão do portal tierrapura (espanhol).

Conheça mais sobre o GCS – Global Covid Sumit. (inglês).

Fonte: https://medicospelavidacovid19.com.br/noticias/dr-ryan-cole-lidera-a-iniciativa-com-17-000-medicos-para-romper-com-a-oms/

Compartilhar:

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on linkedin

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

covidflix

Outras Notícias